Total de visualizações de página

Preocupação...


Tenho me preocupado muito, com as pessoas. Com as pessoas de um modo geral, não só as que me são próximas, por graça de Deus, mas com todos as pessoas. Na busca por me conhecer, por curar minhas emoções, traumas, decepções, enfim, na busca por uma cura interior para minha vida, tenho percebido o quanto feri, e fui ferida, quanto machuquei e fui machucada, magoei e fui magoada e tudo isso sem a menor intenção de ser. Não feri porque um dia sai de casa pela manhã resolvida a ferir alguém, ou magoar, não, bem ao contrário, na maioria das vezes isso acontecia quando tomava a decisão de fazer o melhor, de ser melhor. Tá mas o que e onde estou querendo chegar com tudo isso?
Minha preocupação está em que muitas pessoas estão vivendo, por aí machucando, e machucadas, magoando e magoadas, sem a mínima noção do que estão fazendo.
Tanto sofrimento, imerso numa piscina de relacionamentos conturbados, e pessoas desconhecidas de si mesmas que se conhecem pelas ruas e tentam juntar usas histórias, mal tratadas, como a àgua da piscina que se turva e escurece se não for o tempo todo cuidada, filtrada, limpa...
Meu Deus, como continuar vivendo dessa forma, com traumas na maioria das vezes desconhecidos, com medos escondidos por de tras de caras feias e amarradas? E as pessoas que passam anos da vida olhando no espelho sem se ver, e quando o fazem se assustam porque não se reconhecem mais...
Meu Deus, quando percebi tudo o que fiz durante 26 anos de vida mal vivida, andando por aí com uma máscara que escondia a mácula do sofrimento e do medo...
Meu Deus, te louvo e bendigo por me haveres mostrado tudo isso, contudo não consigo viver bem, aceitando que está tudo bem comigo enquanto vejo diariamante na piscina dos relacionamentos da vida uma série de sugeiras que ficam boiando, de ressentimentos, de amarguras de dores e desconfortos e quando a água pára, vão se decantando e acumulando sem que ninguém pegue a peneira, sem que ninguém passe o aspirador. E empodrecendo a água, vão tornando-a inabitada, imprópria para os relacionamentos.
Se aceitasse isso normalmente, acho que estaria colocando outra máscara, para agora me esconder das máculas dos outros.
Não posso Senhor, viver alheia a esses gritos silenciosos de sofrimento...
Não posso Senhor!
Seria como continuar fugindo de mim mesma...
Tenho descoberto muitas coisas, lido muito pra me entender e voltado muito meu olhar para dentro de mim, como Santo Agostinho que ensina "Não saias de ti, mas volta para dentro de ti mesmo, a verdade habita no coração do homem".
E me entendendo começo a entender as pessoas, fazer o bem a todos só é possível quando penso bem de todos e quando falo bem de todos, mas para isso preciso antes entender as pessoas, suas ações, tantas vezes motivadas por frustrações e que respondem a perguntas tantas vezes ditas sem respostas.
Anselm Grün nos diz que: "Há muitos modos de se reconciliar com as ofensas sofrimentos em nosso vida. Se eu entender as feridas de minha história de vida como estimulantes de meu desejo, posso reconciliar-me com elas. continuam sendo feridas. Também continuarão a doer. Não mergulho, porém, em autocompaixão, mas digo a mim mesmo(a): ' A ferida dói. Mas na dor entro em contato com meu desejo de verdadeira cura, de ficar sarado e íntegro definitivamente'. Fico livre assim da pressão de ter de trabalhar minhas feridas de tal modo que não apareçam mais. Elas têm autorização para se manisfestar dentro de mim. Elas me lembram sempre o desejo que está em mim."
Isso me faz lembrar aquele ditado que diz: quando a gente muda o mundo muda com a gente!
O segredo não está em tentar mudar as pessoas ao meu redor, levá-las a uma conversão, mas na minha mudança ser testemunho de conversão para os meus, para que, os que estão ao meu redor, queiram buscar-se a si mesmos. Pois é no encontro consigo mesmos que encontarmos a Deus que está em nós. "Que eu me conheça a mim, que eu Te conheça Senhor" Sto Agostinho.
Se posso dizer -te alguma coisa digo: busque-se e, encontrando-te, encontrarás também o Senhor!

fike bein!


Um comentário:

Adelia disse...

Olá carla , estou chegando de uma reunião para a ordenação do Babá,e escutando o programa da rádio. Meu Deus lendo estas coisas maravilhosas verdades que o E.S. te conduz a escrever, passa tanta coisa no coração dagente...Deus te abençõe e te conduza sempre. Bjs!!!